Páginas

quarta-feira, 3 de junho de 2015

A Cidade de Deus e a Cidade dos Homens !

 
O Homem é criado reto, em estado de graça, para viver em conformidade com Deus e não em conformidade consigo mesmo, para fazer a sua própria vontade, mas para fazer a vontade de Deus. Se os Homens vivessem em conformidade com Deus, deuses seríeis. Homens divinos, imersos na graça de Deus.
Quando o Homem nasce, toda a natureza humana está privada da graça de Deus, o corpo e a alma nascem velhos. Como cada homem individual pertence à mesma espécie, que é a humana. A natureza da nossa espécie é a mesma. E por causa do ato de soberba de nossos pais Adão e Eva, que cometeram o pecado original, ao desobedecerem a Deus. O Homem passou a sofrer uma desordem em sua natureza. O corpo não obedece mais a alma e as paixões não estão mais sob o domínio da razão.
O Homem passou a pecar, e o pecado é um hábito, uma disposição má da natureza humana, uma desordem. O pecado é uma conversão ao bem mutável e temporal e uma aversão ao bem imutável e eterno, a Deus. E enquanto o homem viver segundo a natureza humana, não será feliz por não viver segundo uma vida espiritual. Ou seja, convertido para Deus. Só se comete pecado querendo que as coisas nos corram bem ou não querendo que as coisas nos corram mal – ou quando fazemos para um bem melhor o que para nós é um mal maior. Assim o pecado é uma mentira, nos conduz a morte.
E não foi a carne corruptível que tornou pecadora a alma, mas foi à alma pecadora que tornou o corpo corruptível. A morte é uma pena de Deus segundo Santo Agostinho, e não uma libertação segundo a tradição greco-romana.
A partir do pecado constituiu-se na terra duas cidades a de Deus e a dos Homens:
1 – A cidade dos Homens:
São daqueles que vivem segundo a carne, aqueles que vivem segundo ao Homem.
2 – A cidade de Deus:
São daqueles que vivem segundo o espírito, aqueles que vivem segundo Deus.
Na trajetória histórica da humanidade há uma nova infusão da graça de Deus no mundo terreno, que reestabelece o estado de graça do Homem antes de cometer o pecado original, que é pela aplicação dos efeitos da paixão e morte de Cristo na alma do Homem, neste estado de graça a alma do Homem está salva. O Homem se converte a Deus, passa a viver segundo Deus, ou seja, a fazer a vontade de Deus, a ter uma vida espiritual e viver na cidade de Deus.

“De qual cidade tu queres pertencer?
A de Deus ou as dos Homens?”
(Keller Reis Figueiredo)
 
 
 
 
Postar um comentário