Páginas

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Como Tornar o Homem Feliz !


Segundo Epicuro, “a filosofia é uma disciplina cuja única meta é justamente tornar feliz o homem que a pratica, de tal modo que este deve cultivá-la durante todo o transcurso de sua existência, desde a mais terna juventude até a idade mais avançada”. O filósofo passa para os discípulos aqueles tópicos que considera essenciais para a busca permanente da felicidade.
Existem três pontos dos quais Epicuro disserta, a morte, o prazer e a dor, todos têm um impacto direto na qualidade de vida e a felicidade humana, e tudo dependem da forma como o Homem vive eticamente cada um deles.
Para Epicuro “a morte é o mais aterrador dos males, é necessário vencer esse medo da morte, ninguém deve temê-la uma vez que não há vantagem em viver eternamente: o que importa não é a duração, mas a qualidade de vida.”
Sobre o prazer Epicuro fala, “o prazer, como bem principal e inato, não é algo que deva ser buscado a todo custo e indiscriminadamente, já que às vezes pode resultar em dor, do mesmo modo, uma dor nem sempre deve ser evitada, já que pode resultar em prazer”.
De qualquer maneira, recomenda-se uma conduta comedida em relação aos prazeres, valendo, para este caso, aquele mesmo princípio da qualidade em detrimento da quantidade, tudo depende da forma como se vive a vida.
Para Epicuro um Homem sábio, jamais deve acreditar cegamente no destino e na sorte com se esses fossem fatalidades inexoráveis e sem esperança, é a crença na vontade e na liberdade do Homem.
Sobre esses pontos essenciais, Epicuro exorta Meneceu, garantindo-lhe que a prática correta de tais ensinamentos será capaz não só de levá-lo à mais completa felicidade, mas até mesmo sentir-se como um deus imortal entre os homens mortais.
Em poucas palavras Epicuro defende ideias capazes de proporcionar a saúde do espírito, que pode tornar o Homem feliz. Para tal recomenda-se que devemos cuidar das coisas que trazem felicidade.
Para Epicuro, “o sábio, nem desdenha viver, nem teme deixar de viver, para ele, viver não é um fardo e não viver não é um mal”. O fim último é o prazer, a ausência de sofrimentos físicos e de perturbações da alma, a prudência é o princípio e o supremo bem, para se ter uma vida cheia de virtudes.

“A felicidade é um bem que se
multiplica ao ser dividido.”
(Marxwell Maltz)

 
 
Postar um comentário