Páginas

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Nova Crise Mundial, a Crise das Grandes Cidades !

 
Estamos inseridos em um mundo complexo, diante de um movimento dialético histórico da humanidade. Conforme a postura filosófica de regressão social, a barbárie, enunciada pelo filósofo Marildo Menegat que faz uma crítica dialética do direito.
As cidades como formas históricas de agrupamento humano estão caminhando para uma crise sistêmica?
No modelo capitalista a cidade é um espaço de produção, onde também há o consumo. Segundo o filósofo Marildo Menegat a crise da cidade é a crise do capitalismo.
O capital e trabalho se uniram para criar na cidade uma exclusão ao criar um Estado de exceção?
Existe um mecanismo social que funciona independente da nossa vontade, que é a lei do valor produzido pelo trabalho humano, que gera e desenvolve o capitalismo, na medida em que se cria valor através do trabalho. Só que hoje existem avanços tecnológicos que minimizam a criação de valor, ao reduzir o trabalho humano, pela utilização de novas técnicas. Para tornar o capitalismo mais competitivo, há um movimento sistêmico na redução da fonte de geração do valor, que é proporcionado pela eliminação gradual do trabalho humano.
Para a construção de uma sociedade mais próspera e feliz, não deveríamos rever o conceito do que é ser produtivo, ou seja, para que fim?
Para entendermos melhor o cenário, é só percebermos, que hoje fazemos parte de uma sociedade voltada para o consumo, que não está mais voltada para a produção, para a geração de valor. O consumo está sendo financiado pelo sistema financeiro, que pelo método do endividamento gera o consumo, mas não gera riqueza. Hoje existe uma massa populacional localizada em diversas grandes cidades que estão fora da relação de trabalho por estarem excluídas do trabalho, e fora da relação de consumo por não gerarem valor e por não terem dinheiro para o consumo.
Segundo a ONU em 2020 a maior parte da população mundial estará vivendo em grandes cidades, será urbana, é o fenômeno da vida urbana. É o processo de expropriação da vida do campo.
Como as massas humanas irão se adequar ao espaço urbano?
Segundo o filósofo Marildo Menegat estas massas humanas não têm função no capitalismo, não têm trabalho, não têm dinheiro, não têm lugar, é um problema para o capitalismo, um grande desafio. E este processo ocorre desde os anos 1970, criando um processo de favelização no mundo inteiro. As massas sociais expropriadas do campo vão viver em favelas, que segundo o IBGE, a favela é um aglomerado subnormal, carente de serviços públicos essenciais, ocupando terreno alheio, de forma desordenada.
Este é o maior desafio do Estado Brasileiro, tornar a vida de cada cidadão brasileiro uma realidade digna de se viver, com moradia digna, saneamento básico, trabalho, renda, educação de qualidade, saúde, etc. A crise do capitalismo que enfrentamos é a realidade da exclusão social, ocasionada pelos sucessivos ganhos de produtividade, que eliminou o trabalho humano. O próximo governo tem que promover a inclusão do trabalho humano, ou seja, promover a absorção do trabalho gerador de riquezas pelas grandes massas sociais. A política econômica tem que estar voltada para este objetivo estratégico. Para podermos enfrentar a crise estrutural do capitalismo no espaço urbano. Se nada for feito nesta direção, poderemos esperar em um futuro breve a volta da barbárie. As grandes cidades deixaram de existir, por não se conseguir sobreviver com os elevados níveis de violência que irão existir. Existirá uma guerra civil não declarada, e os sinais desta realidade estão nos elevados índices estatísticos de mortes violentas que são apresentados todos os anos pelo Brasil.
Será que estamos caminhando para a barbárie?

“A sabedoria é um adorno na prosperidade
e um refúgio na adversidade.”
(Aristóteles)
 
 
 
 
 
Postar um comentário