Páginas

terça-feira, 8 de julho de 2014

Grandes Derrotas e Grandes Mudanças !

 
          O que podemos aprender com grandes derrotas?
         Em um mundo competitivo, podemos esperar o melhor, mas devemos estar preparado para o pior, do contrário nos tornamos vítimas da gestão, racionalidade, precisão, planejamento, objetividade e resultado.
         O que grandes derrotas nos revelam?
         Que duras realidades podem ocorrer na vida, ou seja, que grandes derrotas ocorrem, na medida em que não estamos preparados para vencer, não estamos qualificados para competir com o mundo competitivo que nos apresenta.
         Hoje, 08/07/2014 vi com temerosa emoção o vexaminoso resultado da seleção brasileira obtida no jogo contra a seleção alemã, 7 para a Alemanha e 1 para o Brasil.
         O que foi afinal?
         A disputa futebolística entre dois países, um país modelo de organização, planejamento, transparência, objetividade, racionalidade, eficiência e eficácia. O outro país sinônimo de improvisação, desorganização, falta de planejamento, falta de transparência, subjetividade, irracionalidade, ineficiência e ineficácia.
         Quais dos dois países têm maior probabilidade de ser campeão na vida?
         Independente de quem pode ser campeão, o Brasil demonstra que no futebol não é competitivo com um país de primeiro mundo, e a questão é:
         Será que é só no futebol que o Brasil não é competitivo?
         O esporte de um país, muitas das vezes, é o reflexo de outras dimensões das realidades existentes no país.
         As eleições estão por vir, é a oportunidade do povo brasileiro tomar consciência e a decisão do rumo do seu futuro, rever todos os conceitos existentes e praticados, e lutar no voto por um líder comprometido com a organização, o planejamento, a transparência, a objetividade, a racionalidade, a eficiência e a eficácia.
         Formar uma sociedade competitiva e campeã é um trabalho duro, árduo, em que se faz o que se tem que fazer, e não o que se quer fazer. É esperar o melhor, mas se preparar para o pior, pois a vida é dura, e na luta para vencer existe um grau de racionalidade, que governa os sentimentos a subjetividade, o inesperado. Ou seja, o milagre é fabricado na maioria das vezes, jamais simplesmente esperado.
         Podemos ser melhores no futuro, mais competitivos e campeões, mas temos que mudar o presente, e ter a coragem de tomar decisões mais racionais. Hoje não há mais espaço para amadores, cada vez a vida é mais profissional e competitiva, não devemos temer os nossos desafios, mas construir as condições para o desenvolvimento, crescimento e vitória.
         Tenho a impressão de que o reflexo do jogo de hoje é a imagem do que o país vive hoje, sonhando com o melhor, mas despreparado para o pior. O pior pode se tornar realidade, caso não estejamos preparados, ou não tenhamos aprendido com os eventos inesperados da vida.
         Hoje é a nossa oportunidade de mudar, de melhorar, e fazer... Por uma eleição e votação mais consciente, por um Brasil campeão, que seja capaz de fazer seu POVO FELIZ!

“Nunca encontrei uma pessoa da
qual não tivesse nada
 a aprender.”
(A. De Vigny)
 
 
 
Postar um comentário