Páginas

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Um Político Justo !

 
         Segundo o conto mítico de Gláucon, que é o do “Anel de Giges”. “Giges era um pastor ao serviço de Candaules, o rei da Lídia. Um dia, após um tufão e um terremoto, a terra rasgou-se exatamente no lugar onde ele pastoreava o seu rebanho. Completamente maravilhado, Giges desceu para a abertura e viu, no interior de um cavalo de bronze, um homem enorme sem roupas, mas com um anel de ouro no dedo. Pegou nele e saiu do buraco. Mais tarde, enquanto participava num encontro de pastores, virou o engaste do anel para a parte interna da mão e notou que se tornara invisível, porque os outros pastores falavam dele como se ele tivesse ido embora. Quando virou de novo o anel, ficou visível. Depois de ter verificado que este era o poder do anel, foi ao palácio do rei, invisível a todos, seduziu-lhe a mulher e com a sua ajuda matou o rei e tomou-lhe o trono.” (II 359c – 360b)
         Segundo Glaúcon, “se dois homens, um justo e um injusto, tivessem à disposição este anel, agiriam de maneira exatamente igual, por sua vez, isto demonstra que ninguém é justo voluntariamente, mas só porque é obrigado: No seu íntimo, ninguém considera a justiça um bem, e considera a injustiça muito mais vantajosa.” (II 360b-d)
         Fazendo uma reflexão sobre os tempos atuais, coloco a seguinte pergunta:
Existe um político justo no Brasil?
         Hoje estamos presenciando uma corrida eleitoral pelo cargo da presidência da república, e percebe-se uma divisão política no Brasil, mas também um elevado número de votos bancos e nulos. E fica uma segunda pergunta:
         Qual dos dois candidatos é mais justo?
         Entendo que seja difícil responder esta pergunta, pois vivemos uma realidade cheia de contradições paradoxais. Pois há uma dúvida:
         É possível ser justo na política brasileira?
         Para aprofundarmos a reflexão, faça-se o entendimento de justo como o que é conforme a equidade, à justiça, à razão, à retidão, ao direito. É justo o homem reto, equânime, imparcial, que realiza a justiça em seus atos e em seus julgamentos, e pratica a virtude.
         Já a justiça é a situação virtuosa na qual cada um recebe o que lhe cabe, como resultado de seus atos ou de acordo com os princípios e as leis da sociedade em que vive. Capacidade ou qualidade de ser imparcial ao julgar, e de ser conforme a lei e a ética. Funcionamento harmonioso de uma sociedade, com direitos e deveres iguais para todos os cidadãos.
         Em um futuro próximo espero ter um líder, que seja justo e haja com justiça para ser ter um Brasil mais feliz.

“Quem quiser alcançar um objetivo distante
tem de dar muitos passos curtos.”
(Helmut Schmidt)
 
 
 
 
Postar um comentário