Páginas

terça-feira, 28 de outubro de 2014

A Violência do Apego e da Traição !

 
Segundo Nilton Bonder, “o ser humano é tensão entre preservação e a transgressão, entre o corpo e a alma, duas formas profundas de desvios podem ocorrer: o apego e a traição. O apego fere a alma da mesma forma que a traição fere o corpo.” Ambas podem gerar violência se exacerbadas ou desiquilibradas. A alma quando violentada, responde pela depressão, o que é uma violência contra a própria vida. O corpo quando violentado, se expressa contra o mundo externo, no ódio e na vingança.
Segundo Nilton Bonder, “o apego ameaça e violenta a integridade de um ser humano da mesma maneira que a traição. É entre esses dois estados de desiquilíbrio que residem nossas grandes dificuldades na vida. Eles estão sempre juntos. Não existe experiência de traição que não venha acompanhada de apego.”
A nossa atenção deve estar voltada para a dinâmica do apego e da traição, pois movimentam nosso corpo e alma, seja de forma natural ou violenta.
Segundo Nilton Bonder, “quando um indivíduo ou mesmo indivíduos que mantém relações afetivas fazem movimentos transgressivos movidos pela alma, são imediatamente confrontados com movimentos de apego pelo corpo.”
Um exemplo ocorre no casamento:
Segundo Nilton Bonder, “um casal vive uma relação de casamento, o desiquilíbrio maior surge quando um dos dois dá um passo à frente em direção a sua vida. Esse passo, que é muito transgressivo em relação à sua situação acomodada, deveria gerar um passo também do cônjuge. Se isso acontecesse, ambos estariam equilibrados e sua dinâmica seria natural. No entanto, o que mais acontece como reação a um passo à frente é que o outro dá um passo para trás. O desiquilíbrio então se estabelece e uma situação não dinâmica atravanca o processo vital. A maioria dos casamentos termina pela recorrência desse ato reflexo.”
 
 
Postar um comentário