Páginas

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Dimensão Simbólica da Existência !

 
          A extensão de uma porção do espaço que se pode medir em todos os sentidos, que de forma arbitrária ou convencional representa outra coisa, na condição de alguém ou algo que existe, seja na vida, maneira de viver, representa a dimensão simbólica da existência.
Onde estamos no espaço tempo?
O que somos? Ou nos tornamos?
Quais são as nossas buscas?
Será que podemos dar uma segunda virada antropológica, após 2.300 anos do ato de filosofar? Tendo como um marco o filósofo grego, Sócrates.
Estamos diante do Homem “Tecnofilológico”?
A velocidade da revolução científica em curso constrói mitos que estão moldando a dimensão simbólica da existência humana.
Será que haverá espaço para o diálogo entre a alma e o corpo?
De que forma o latente se manifestará?
É o possível tornando-se real em substância e o virtual tornando-se atual em acontecimento. Estaremos preparados para percebermos a presença do SER no momento de transição, de transformação?
São inúmeras perguntas, que ao serem instrumentos de reflexão, possibilita o Homem se situar no tempo e espaço.
Mais uma vez o mundo está dividido, pode ir em direção à alma (intelecto) ou em direção ao corpo (sentidos), acredito que há um ponto de interseção, onde se manifesta o SER, que possibilita a existência das duas dimensões simbólicas da existência humana, que se comunicam, se complementam, tornam o possível real e o virtual atual. É o latente que encontra o espaço tempo existencial para se manifestar.
A questão fundamental é:
De que forma iremos hierarquizar esta relação existencial?
Primeiro o corpo depois a alma, ou primeiro a alma e depois o corpo?
Esta talvez seja a opção antropológica que o Homem tem que fazer, ser uno em sua decisão, mas avaliar.
Em qual das direções o Homem pode ser mais justo e virtuoso?
Ao tentarmos responder a esta questão pelo viés humanista, pela lógica dialética, iremos desconstruir muitos mitos científicos, mas se mantivermos uma postura materialista, pela lógica matemática, iremos ampliar e perpetuar os atuais mitos científicos.
Como a filosofia é um movimento em direção ao conhecimento, à verdade, acredito que não existe resposta pronta, mas um contínuo diálogo, capaz de ir além do mundo real e sensível, onde a cada passo descortina-se o sentido da dimensão simbólica da existência humana, a lógica dialética permanece.
“Cogito, ergo sum.
Penso, logo existo!”
René Descartes (1596 - 1650)
 
 
 
 
 
 
Postar um comentário