Páginas

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Angela Davis e a Justiça Social, um olhar para todos !




Angela Davis, filósofa, professora emérita do departamento de estudos feministas da Universidade da Califórnia, ícone da luta pelos direitos civis e ativista do Partido Comunista dos Estados Unidos.
Sua militância política busca promover a justiça social como um caminho para a construção de uma sociedade melhor. Questiona a visão ortodoxa da esquerda sobre a classe, onde na verdade podem existir subclasses conforme a raça e o gênero. Podemos analisar a classe trabalhadora composta por homens e mulheres, brancos, negros e imigrantes, onde forma-se uma pirâmide social que vai do maior até o menor acesso aos direitos civis. Inicialmente segue esta ordem: 1ª Homem Branco, 2ª Mulher Branca, 3ª Homem Negro, 4ª Mulher Negra, 5ª Homem Imigrante, 6ª Mulher Imigrante.
“...As organizações de esquerda têm argumentado dentro de uma visão marxista e ortodoxa que a classe é a coisa mais importante. Claro que classe é importante. É preciso compreender que classe informa a raça. Mas raça, também, informa a classe. E gênero informa a classe. Raça é a maneira como a classe é vivida. Da mesma forma que gênero é a maneira como a raça é vivida. A gente precisa refletir bastante para perceber as intersecções entre raça, classe e gênero, de forma a perceber que entre essas categorias existem relações que são mútuas e outras que são cruzadas. Ninguém pode assumir a primazia de uma categoria sobre a outra...”
A realidade social presente nos Estados Unidos da América não é diferente do Brasil, na América Latina. Podemos fazer as seguintes perguntas: Qual é a população que mais sofre com a violência urbana? Como está definida a posição da mulher na sociedade brasileira, especialmente da mulher negra? E o estrangeiro, como vive no Brasil?
Os movimentos progressistas no Brasil, que trabalham para promover a justiça social no país, devem rever o conceito de classe e perceber as subdivisões existentes conforme a raça e o gênero, e o acesso aos direitos civis. Segundo os grupos étnicos no Brasil (Censo de 2010) existem: Brancos (47.51%). Pardos (43.42%). Pretos (7.52%). Amarelos (1.1%). Indígenas (0.42%). Onde a mulher é subjugada pelo homem e os direitos civis não se materializam de forma igualitária.
O movimento feminista negro nos Estados Unidos pode contribuir para a revisão de conceitos, e ampliar a visão de mundo sobre a posição da classe trabalhadora na sociedade, quanto ao gênero e a raça. Iniciamos o século XXI, e já não é eticamente e moralmente aceita a presença de uma injustiça social velada, pouco divulgada e combatida, que privam os sujeitos de seus direitos civis, conforme a sua raça e gênero. Um mundo melhor só pode existir com uma sociedade mais justa e igualitária, onde os direitos civis são iguais para todos. O equilíbrio e a sustentabilidade buscados pelas sociedades do presente passam por uma sociedade justa, que garanta os direitos civis de todos os cidadãos. Seremos a medida de todas as coisas, na medida em que soubermos o que queremos ser. A realidade factível será uma representação nossa, que parte de uma visão de mundo.




Postar um comentário