Páginas

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Deleuze: Por uma pedagogia do conceito !






         “Não devemos produzir conceitos se não tiver atrelados a resolver problemas”. (Deleuze)
         A filosofia tem muito que contribuir para com a educação e o ensino. Deve-se definir qual é o papel do filósofo no ensino médio e no ensino superior. Pensar a filosofia no Brasil como uma relação com o brasileiro.
         As teorias de Deleuze servem para provocar o professor e ajudá-lo em suas práticas. Deleuze se preocupa com a forma ao se pensar filosofia, o que pode auxiliar no ensino.
         As pessoas são muito diferentes, não há um aluno padrão. Deve-se ter uma visão antropológica do aluno. Para Deleuze, pensar não é natural, precisa acontecer muitas coisas antecipadamente.
         Segundo Deleuze não dá para separar produção de filosofia e ensino de filosofia. O processo filosófico no Brasil é muito mais um processo de reprodução de teoria que uma produção de teoria.
         Ao se estudar filosofia existe uma relação de atração e resistência com a filosofia. Sendo assim, corre o risco de ser eliminada dos currículos nos espaços públicos e institucionais. A filosofia tem que ter uma clareza do que é, e se colocar no mundo.
         Para Deleuze a filosofia é a produção de conceito. Limitar a filosofia é criar espaço onde pode atuar. Compreende-se a filosofia a partir do que a filosofia não é, cria-se o espaço para o filósofo poder atuar. Filosofia não é reflexão, não é discussão, não é comunicação. Afinal, o que é isso a filosofia? É a produção de conceito.
         A filosofia é a atividade de produzir conceitos, os acontecimentos discursivos. O conceito é muito mais que uma palavra, cria um mundo, uma esfera de verdades, uma esfera de realidade. Se a palavra tiver uma força conceitual, passa a ser a realidade, ou seja, passa a criar o mundo. O conceito não é um simples conceito, mas uma construção de mundo.
         O filósofo ao criar um conceito, ele inventa a verdade, inventa o mundo. O filósofo é aquele que produz conceitos em um dado lugar, inventa conceitos e teorias, inventa o mundo.
         Lecionar filosofia é um desafio, o problema que está posto é como ensinar filosofia ou ainda como se ensinar a filosofar. Como fazer dar certo? Como garantir que o pensamento potencial se expresse? Como dar uma boa aula? O que move? O que te faz precisar pensar? Pensar não é natural: Há a necessidade de intercessores que mobilizem o pensamento. O essencial são os intercessores. É preciso fabricar seus próprios intercessores. Trair a história da filosofia, usá-la, se nutrir dela, mas a traí-la. Ter uma relação com as outras áreas do conhecimento ao reconhecer as identidades e diferenças. Buscar de forma discursiva afetar o aluno, criar a necessidade, colocar o problema, fazer uma investigação pelas outras áreas do saber e fabricar junto com o aluno o conceito.
         “Por uma pedagogia do conceito – o caminho é a produção de conceito: Afeto, necessidade, problema, investigação e fabricação de conceitos”. A filosofia é um acontecimento discursivo. Provocar o filósofo a criar conceitos é provocar o filósofo a atualizar conceitos.
Fonte: Fórum de Comunicação e Tecnologia 2016 - Profa. Dra. Susy Piza - UFABC



Postar um comentário