Páginas

sábado, 24 de janeiro de 2015

Crise de Água ou Crise de Gestão Pública !

 
         Estamos diante de uma crise, e o objeto em questão é a água, que revela a forma como o Estado faz a gestão dos recursos hídricos do país. A população será testemunha da maneira como nossos líderes políticos atuam, e conduzem as políticas públicas no Brasil. As decisões políticas são tomadas de forma reativa, jamais de forma pró ativa, ou seja, primeiro é necessário que ocorra a catástrofe para depois ter uma ação pública. A questão é: Será possível uma reversão do cenário catastrófico, ou teremos um ano de 2015 pior que o ano de 2014? Como será?

“Ciência é conhecimento organizado.
Sabedoria é vida organizada.”
(Immanuel Kant)

         A ciência tem nos revelado as mazelas que iremos sofrer caso não tenhamos uma ação pró ativa para com as previsões futuras de nossas descobertas, os cientistas são os profetas do presente, que testemunham a necessidade de uma mudança de comportamento, os recursos naturais são limitados, embora uma sociedade do consumo crie necessidades ilimitadas, ou seja, a economia contábil do desenvolvimento sustentável é deficitária, consumimos mais que a nossa capacidade instalada, mais que a natureza do globo terrestre nos fornece a cada ano. Não há decisões sábias por parte de nossas lideranças políticas, que venham a constituir uma vida organizada. Caminhamos para desorganização do poder público, que irá perder a legitimidade da condução da vida da sociedade. Começaremos a ver iniciativas privadas e particulares para a manutenção do padrão de vida, e a lei será ditada por quem tem mais força, ou seja, quem tem mais dinheiro e poder político. Caminhamos para a constituição de um “Estado Paralelo” com suas regras e leis próprias. É o início da derrocada institucional do Estado Republicano constituído, caso não sejamos capazes de reverter os efeitos profetizados pelos cientistas de plantão.

“Uma vida não questionada
não merece ser vivida.”
(Platão)

         Existe a necessidade de se fazer um grande questionamento, quanto à forma, que estamos sendo conduzidos por nossos líderes políticos. As verdades são meias verdades, me parece que o problema é muito mais grave, revela pontos de ingerência, ineficiência, e interesses obscuros. A quem interessa um estado de calamidade? Podemos atuar sobre o presente para construirmos um cenário melhor para o futuro, para tal, devemos deixar de sermos reativos, para passarmos a ser pró ativos, o que falta é uma decisão política.

“Espere o melhor, prepare-se para
o pior e receba o que vier.”
(Provérbio Chinês)
 
 
 
 
Postar um comentário