Páginas

domingo, 25 de maio de 2014

A Arqueologia do Futuro !

          Do que seremos lembrados no futuro?
         Esta é uma importante questão que a arqueologia do futuro irá responder, será que teremos os traços de uma civilização importante, que foi capaz de influenciar a sociedade de seu tempo? Que despertou importantes correntes filosóficas, que vieram a construir as bases do futuro? Que tipo de civilização nós somos? Seremos capazes de deixar nossa marca na trajetória histórica existencial do Homem nesta terra?
         Pensar o presente no futuro é uma reflexão que possibilita entender o sentido de nossa existência, façamos um exercício de imaginação e voltemos ao passado das importantes civilizações que já existiram neste mundo. Vejamos os traços marcantes que moldou o pensamento do ocidente, a influência greco-romana, judaico-cristã.
         O que construiu a forma do ocidente raciocinar, sentir e viver a religião, a filosofia, a política, a vida em sociedade, a construção das ciências naturais, exatas e humanas? O que realmente somos? Onde estamos na história? O que podemos construir? E o que iremos deixar de legado para a futura civilização?
         Existe uma verdade, o tempo é implacável, ele passa por tudo e deixa os registros arqueológicos ao longo da estrada, e quais tipos de registros arqueológicos do presente serão deixados para o futuro? No que teremos realmente influenciado na construção do futuro?
         Podemos estar diante de uma nova visão da arqueologia, a Arqueologia do Futuro. O que temos hoje faz parte do passado, o que fará parte do futuro? A busca de respostas para estas inúmeras perguntas podem levar a um sentido existencial do presente, ou seja, podemos estar diante de um modo articulado de caminharmos no tempo e identificarmos o que realmente é importante para a civilização do presente.
 
          Mas em que esta forma de pensar pode nos ajudar?
Pode ser uma bússola para os líderes de cada nação, os formadores de opinião, os construtores sociais, as elites que são capazes de provocar mudanças e redirecionar uma sociedade. Do que queremos ser lembrados é uma resposta para cada tomador de decisão, é uma responsabilidade histórico existencial de imortalizar o presente e projetar o futuro.
O convite é a reflexão e a busca de respostas para o que iremos deixar de relevante para o futuro, cada um pode ser esse guia, o tema está em aberto, o futuro permite a materialização de possibilidades, basta respondermos ao que somos chamados.
Qual é a nossa resposta?

“Os males não cessarão para os humanos antes que a raça
dos puros e autênticos filósofos chegue ao poder, que os
chefes das cidades, por uma divina graça, se não
oponham a filosofar verdadeiramente.”
Postar um comentário