Páginas

sábado, 11 de abril de 2015

Verdades Esquecidas: A Cidade de Deus de Santo Agostinho de Hipona !


         O que é a morte?
       É um justo castigo, é a justa condenação criada por Deus, para os cumpridores infiéis de sua obediência.
         Com o pecado original, pecado contraído na origem, a partir da desobediência de Adão e Eva, passado de geração em geração, o Homem nasce mau, tem a necessidade de conversão, pois nasce desarmônico, está em desarmonia em conflito. A desordem passa a ser algo da condição humana. As paixões não estão mais ordenadas pela razão.


         O Homem não nasce mais sob o efeito da graça de Deus, ou seja, o efeito do amor de Deus na natureza do Homem, que une o homem a Deus, que é o auxílio divino.
         A privação da graça de Deus gera a desordem antropológica do Homem. Constitui-se uma luta existencial, o corpo já não obedece à alma, as paixões já não estão sob o domínio da razão. O Homem passa a estar sob a escravidão do pecado.
         E Deus no seu infinito amor atua sob a história da humanidade, para conduzir o Homem ao estado de glória, o estado de graça com a garantia da perseverança eterna.
         E assim, para superar o pecado original de Adão, um ato da natureza humana, o mau uso da liberdade humana, que causou uma desordem no Homem, dentro de si próprio. Deus assume a filiação da humanidade, a partir do Batismo Cristão, somos irmãos de Cristo. Que por amor a toda humanidade morreu por muitos, para abrir as portas do céu para os filhos de Deus. E dessa forma o Homem supera a morte:
         A primeira morte total do Homem, na qual a alma sem Deus e sem corpo sofre temporariamente o castigo do inferno.
         A segunda morte total do Homem, na qual a alma sem Deus e com corpo sofre as penas eternas, após a ressureição dos mortos o juízo final, ou seja, a condenação ao inferno eterno.
         Qual é a implicação, ao acreditarmos nestas verdades esquecidas, que estão expostas na obra Cidade de Deus, de Santo Agostinho de Hipona ?
         Passamos a fazer uma reflexão de nossa conduta ética moral do nosso dia-a-dia, para quem professa uma fé em Cristo, é de relevante importância estar atento às causas da desordem da natureza humana, entender qual é a nossa real luta existencial. E saber qual é o caminho para viver sob a graça de Deus e poder alcançar o estado de glória, para o qual fomos criados.
         Ser justo e merecedor da misericórdia de Deus são escolhas que o Homem faz na sua vida terrena, é existencial, está condicionado ao uso espontâneo do livre arbítrio do Homem. É uma decisão do Homem.

“Uma grande vitória só é possível se precedida
de pequenas vitórias sobre nós mesmos.”
(Leonid Maksimovich Leonov)


Postar um comentário