Páginas

sábado, 17 de fevereiro de 2018

A Renda Básica Universal é uma Necessidade !



         A revolução tecnológica 4.0 presente no início do terceiro milênio transforma a relação do ser humano com o trabalho. A partir desta constatação, pergunta-se:
O Homem estará a serviço da máquina ou a máquina estará a serviço do Homem?
A lógica desta pergunta reside no fato de que não haverá trabalho para grande parte da população economicamente ativa, ou seja, não haverá renda. Os robôs substituirão os trabalhadores, e o Homens não terão o que fazer.
Então, o que fazer frente a este novo cenário?
O caminho está na mudança da forma de se obter uma renda para o próprio sustento, ou seja, parte da renda que o robô gera deve ser transferida ao Homem, como forma de compensação pela perda do trabalho. Assim, a máquina passa a servir ao Homem e este passar a ter tempo para se dedicar as atividades humanistas.
A renda básica universal é uma proposta de remuneração mínima independente do emprego, que aponta como solução para a manutenção da sociedade de consumo e continuidade da atividade econômica de uma sociedade. Vejamos como exemplo o Brasil:
São aproximadamente 100.000.000 de cidadãos na idade economicamente ativa. Se houver uma renda básica universal mínima para cada cidadão de R$4.000,00 mensais e a cobrança de um imposto de renda mensal de 15% igual a R$600,00 mensais teríamos:
Renda bruta total mensal:
100.000.000,00 x R$4.000,00 = R$400.000.000.000,00
Imposto de renda mensal:
R$400.000.000.000,00 x 15% = R$60.000.000.000,00
Renda líquida mensal:
R$400.000.000.000,00 - R$60.000.000.000,00 = R$340.000.000.000,00
O Brasil teria um mercado de consumo anual garantido de:
R$340.000.000.000,00 x 12 meses = R$4.080.000.000.000,00
         O Brasil teria um recolhimento de Imposto de Renda garantido de:
R$60.000.000.000,00 x 12 = 720.000.000.000,00
         Resumindo, um mercado de consumo interno garantido:
         Uma renda anual bruta total mínima das pessoas físicas de R$4,8 trilhões de reais.
         Uma renda anual líquida total mínima das pessoas físicas de R$4,08 trilhões de reais.
         Um imposto de renda anual pessoa física garantido de R$720 bilhões de reais.
         A Renda Básica Universal é uma necessidade para poder formular políticas públicas com fonte de recursos estáveis. As empresas passarão a investir conhecendo o real potencial do mercado de consumo, torna-se mais fácil o planejamento e menos volátil a economia. A maior parte das crises econômicas são crises de consumo, onde a população em um determinado momento no tempo perde a fonte de renda e a capacidade de consumo.
         A realidade é que, as inovações tecnológicas em curso irão destruir mais postos de trabalho do que criar novos postos de trabalho, para que a roda da economia não pare de girar, o Homem terá que rever sua ética econômica e o posicionamento do ser humano na sociedade.
         O que o Homem? O ser humano é um objeto ou um ser que pensa e tem emoções?
         Cabe ao futuro novo presidente do Brasil abordar esse tema em sua campanha presidencial, pois o trabalho passará a ser uma das questões mais importantes a serem enfrentadas pelas economias de todos os países inseridos na revolução tecnológica 4.0 do início deste terceiro milênio.
         Caberá ao novo governo brasileiro iniciar a construção de uma nova rede de proteção social, que avalie formas mais justas de distribuição de renda, minimize a incerteza quanto ao futuro dos jovens, e crie políticas públicas para minimizar o impacto da precarização do trabalho. Será um novo Estado Social que garanta condições básicas de vida para todo cidadão brasileiro.
         A maior questão a ser pensada é:
         De onde virá à fonte de renda para a manutenção deste Estado Social?
         Da própria economia, de toda e qualquer atividade econômica, gerada pelas Pessoas Jurídicas, via impostos, irá financiar o Estado Social. Frente a este novo desafio o Homem terá que faz o impensável, criar o inimaginável, caso queira viver em uma sociedade saudável, com baixos índices de violência e criminalidade.
         A revolução tecnológica 4.0 do terceiro milênio atinge a todos, a solução para o enfrentamento dos impactos na sociedade está na Renda Básica Universal, que pode estabilizar a economia e pacificar a sociedade. O cidadão do futuro necessitará de uma proteção social desatrelada do emprego. A saída esta na reforma do modelo de Estado Social, onde o Homem esteja no centro, em primeiro lugar, tratado como um ser humano e não um objeto. Assim elimina-se o problema estrutural da falta de emprego formal e o acesso a uma renda digna para custear a própria sobrevivência. Existe uma saída para o futuro incerto, a alternativa ainda está por ser criada.



Postar um comentário